A virtualização de servidores não é um conceito novo, pelo contrário, há décadas que máquinas virtuais são utilizadas para otimizar supercomputadores. Contudo, faz pouco tempo que a virtualização se tornou viável para servidores de pequeno porte, sendo este um tema quente, que tem sido muito explorado, permitindo e estimulando a criação de novas tecnologias.

Conceituando

Primeiramente o que é virtualização de servidores? Em síntese, podemos dizer que a virtualização de servidores é o processo de particionar um servidor físico em diversos outros servidores virtuais.  De tal forma que aumenta a carga de trabalho por servidor, e consequentemente o torna mais eficiente e reduz custos.

De maneira idêntica, essas máquinas podem ser utilizadas para hospedar arquivos, aplicativos, compartilhar recursos e executar atividades em uma infraestrutura de rede de computadores, tudo com um grande poder computacional.

Em terceiro lugar, a depender da atividade fim do servidor, eles podem ser equipados com múltiplos processadores para permitir que esses servidores executem mais tarefas complexas de forma dinâmica e sem apresentar falhas ou travamentos.

Vamos agora conhecer um pouco mais sobre esse assunto e entender sobre a virtualização de servidores!

Evolução das Infraestruturas de TI (Tecnologia da Informação)

A tecnologia está sempre em processo de evolução. Não apenas a popularização da virtualização e a grande demanda por tal serviço, e foi estabelecida a necessidade de infraestruturas mais compactas, menos complexas e adequadas à realidade de diferentes organizações.Da mesma forma as empresas estão sempre em busca de soluções mais eficientes, capazes de reduzir custos e a complexidade das operações.

Analogamente nesse cenário de evolução da indústria de TI, diferentes infraestruturas foram surgindo no mercado, iniciando-se com a tradicional, migrando para a convergente, até chegarmos a mais recente, a hiperconvergente. Agora, vamos conhecer um pouco sobre cada uma dessas tecnologias.

Infraestrutura Tradicional

Anteriormente, a maioria das empresas tinha uma infraestrutura de TI conhecida como tradicional. Portanto esse modelo era composto por equipamentos configuradas e gerenciadas individualmente.

Sob o mesmo ponto de vista, vários componentes de infraestrutura eram separados. Nesse sentido o armazenamento, os servidores de aplicativos, dispositivos de rede e os dispositivos de backup, tinha arquiteturas e equipamentos distintos.

Dessa maneira, era exigida uma equipe de especialistas em diferentes áreas, como banco de dados, rede e administração de servidores.

Nesse tipo de infraestrutura são utilizados componentes de diferentes fornecedores, o que acaba criando uma arquitetura de TI bastante heterogênea, e com tempo, isso poderia representar um problema, pois,  caso o tráfego da rede ou o volume de dados armazenados aumentassem, seria necessário investimentos em  equipamentos com mais capacidade.

Eventualmente a infraestrutura tradicional é indicada apenas para empresas grandes e multinacionais que necessitam de alto desempenho, com ambientes de trabalho estáveis, e possuem uma equipe especializada em TI.

Infraestrutura Convergente (CI)

A infraestrutura convergente surgiu como uma opção para minimizar problemas de compatibilidade existentes entre os dispositivos de armazenamento, servidores e rede, além de reduzir os custos com espaço físico, pois oferece um equipamento compacto.

Na CI recursos como armazenamento, servidores de aplicações e comutadores de rede são vendidos em um único dispositivo físico pequeno, ou seja já vem pronto para uso. Portanto também proporciona a redução de custos com implantação, e torna o gerenciamento, suporte e manutenção processos mais simples.

Entretanto, como nesse modelo os servidores vêm com uma carga de trabalho pré-configurada para um determinado cenário operacional, logo, não existe muita flexibilidade para atualizações caso ocorram alterações significativas da demanda operacional.

De fato, as infraestruturas convergentes são ideais para empresas que precisam de desempenho e de controle sobre toda a infraestrutura de TI para ajustar e configurar os recursos com precisão. Da mesma forma, esse modelo também pode ser indicado para corporações que ainda não possuem uma equipe especializada de TI montada e estão implantando do zero a virtualização.

Nesse sentido, recomenda-se já a implantação da infraestrutura convergente para evitar os custos e os problemas de compatibilidade entre os produtos e fornecedores no processo de montagem da infraestrutura.

Infraestrutura Hiperconvergente

A saber, esta é a tecnologia mais recente. A infraestrutura hiperconvergente se apresenta como um modelo mais dinâmico e flexível, pois além de eliminar os problemas tradicionais de gestão dos recursos de TI, oferece uma camada de gerenciamento baseada em software, permitindo que os dispositivos sejam gerenciados e executados por um único aplicativo, na mesma plataforma do servidor.

Desse modo, os recursos de armazenamento, rede e computação são disponibilizados em uma única unidade, e seu gerenciamento é centralizado, agilizando os processos de configuração e integração dos dados, por se tratar de uma tecnologia homogênea.  

Em conclusão, a infraestrutura hiperconvergente é a forma mais adequada para se reduzir custos com data center, logo, ela é indicada para empresas que precisam de extrema agilidade, implantação rápida, rápido acesso aos recursos, possuem orçamento limitado e uma equipe de TI pequena.

Agora que já conhecemos os três modelos de infraestrutura de TI, vamos conhecer as principais vantagens e desvantagens da virtualização de servidores para as organizações.

Vantagens da Virtualização de Servidores

Redução de custos com recursos de TI

Particionar um servidor físico em diversas outras máquinas virtuais permite a implantação, operação, execução e gerenciamento de várias instâncias do sistema operacional ao mesmo tempo, em um único servidor físico. Dessa forma, reduzindo de maneira significativa os custos com aquisição de máquinas físicas.

Alocação de espaços físicos menores

Ter menos dispositivos elimina a necessidade de grandes salas para armazenamento de equipamentos.

Consumo de energia menor

Menos máquinas físicas ligadas  permitem um consumo menor de energia elétrica proporcionando uma economia significativa no final do mês.

Automação

Aqui o principal recurso economizado é o tempo, uma vez que, tarefas automatizadas permitem a execução de mais serviços ao mesmo tempo, reduzindo inclusive, os custos com mão de obra.

Backup facilitado

Problemas sempre podem ocorrer, e neste caso, é essencial prevenir do que remediar. Assim, praticamente todos os softwares de virtualização oferecem opções de backups automatizados e fáceis de realizar.  

Desvantagens da Virtualização de Servidores

Custos com implantação

Apesar das vantagens apresentadas, é preciso levar em consideração alguns custos que a virtualização gera, principalmente na etapa de implantação, como a compra de licenças para uso de softwares específicos.

Segurança

A depender do ponto de vista e da situação, esse ponto pode ser uma vantagem ou desvantagem. A segurança é um elemento essencial, então, na hora de escolher um provedor para virtualizar os serviços é fundamental escolher uma empresa qualificada e que realmente ofereça segurança aos dados manipulados.  

Conclusões

Decerto a tecnologia exige profissionais extremamente qualificados.

Dessa forma, é preciso entender como o novo ambiente de software funcionará e isso exige um tempo para qualificação e adaptação dos profissionais.

Devo utilizar a virtualização de servidores na minha empresa? E qual infraestrutura adotar?

Certamente, agora você já sabe como a virtualização de servidores pode ajudar pequenas, médias e grandes empresas por meio de recursos ilimitados de TI a economizar tempo, dinheiro e melhorar os fluxos de processo. É provável que deva estar se perguntando se deve ou não adotar a virtualização e qual seria o melhor modelo para implantar, correto?

Para responder a essas perguntas, é preciso levar em consideração o tamanho, as atividades e as necessidades de cada organização.

Vale ressaltar que, todo processo de implantação deve ser muito bem planejado e executado para evitar gastos desnecessários, prejuízos e danos às operações da sua empresa. Então, é essencial a escolha de empresas parceiras experientes, com autoridade no mercado e profissionais extremamente qualificados.

Entre em contato agora mesmo conosco para descobrir como a tecnologia pode ajuda a sua empresa.